26.2.09

não te mexas
desenho o sulco da carótida
a curva das pálpebras
abstraio-me no fluxo do plasma
reverberam tímpanos transcorro ventos
atravessam-me areias como setas
sou o caos logo depois o botaréu
como ser para lá da linguagem que me conforma
sobram papéis ausências como andaimes
sintomas do livre exercício
um ermo lugar esse que me destino

não te mexas.

9 comentários:

Anónimo disse...

vais sempre muito além da linguagem que me conforma...
magnifico

beijinhos
susana

AnaMar (pseudónimo) disse...

Fascinante.
A magia que precisava para energizar o meu dia.

JMV disse...

Continua a ser-me extraordinariamente gratificante cada vez que me demoro um pouco por cá!

Rafael disse...

A impressão que tive é de algo sureal, leve e extremamente expressivo, mas como se tudo que é dito na verdade não se ouve, não consigo explicar muito o que me passou, talves seja pelo fato de ter me passado mais sentimento e energia do que ideia sobre o que realmente é. Em suma: achei extraordinario...
Voltarei outras vezes.
Abraços.

Toutinegra Futurista disse...

Fantásticos textos. Quadros.
Abraço

O Puma disse...

E assim fico

quedo

Pedro S. Martins disse...

Blue,

Recuo até à minha infância. Avanço até um dia qualquer. Tudo pela mão da tua escrita.

Viajante de emoções.

Bandida disse...

que poema fantástico!!


ó blue, é lindo!


beijos

Laura disse...

Sim, eu fiquei sem me mexer enquanto lia... como se cada pessoa que lesse pudesse ser desenhada.

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.