15.9.08

fazes-me falta sempre que pouso a cadeira de verga sobre a gravilha do vergel
assim como um espaço em branco um vazio
trago um vestido curto de estopa grossa cicatrizes nos joelhos
abraças-me devagar e eu penso
o que vêem os olhos quando não vêem
o que fazem as mãos quando presas pelos pulsos
hesito em designá-las
tu dizes são o delta do Nilo do Benares
o tomento das palavras
fazes-me falta fazes-me falta cantarolo
se passar os dedos no teu cabelo
se os passar muito devagar será que o sabes
será que o adivinhas?



7 comentários:

Scarlata disse...

Oh minha doce insonia, fiz bem em vir aqui. ;)

CNS disse...

"o que vêem os olhos quando não vêem". Belo. Muito, Blue.

hfm disse...

Em silêncio, lendo.

isabel mendes ferreira disse...

como a Helena...:)))lendo. sempre.





como não?



beijo Blue.

HB disse...

bom poema

gballand disse...

subtil baloiçar nostalgico da cadeira de verga do poema...
voltarei.

Anónimo disse...

Lindo!
bj
marisa

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.