30.9.08

já tudo estará escrito sobre a luz no Rio de Ouro
sobre os socalcos as fracturas nas fragas veladas por fina argila
sobre as voltas nas fiadas de vinhedos
sobre o calar do ardor da tarde quando se sobe o rio
onde nos surpreendem barcaças locomotivas cegonhas negras patos e garças
onde crescem vagares afectos risadas
já tudo estará escrito e ainda assim escrevo reescrevo procuro as palavras
ele são moiras alheiras milhos carolos bagos de moscatel medronhos bravos
a quentura do pão que as mãos partem na mesa da velha cozinha
longe das casas que os Benefícios tornaram espúrias
dos caixilhos de PVC dos heliportos dos Audis dos Ferraris
já tudo se terá escrito
e ainda assim procuro as palavras certas para a manhã no planalto
um fragmento solar uma brisa de outono o respigo
de novo as risadas e os afectos que nos dão abrigo.

9 comentários:

isabel mendes ferreira disse...

subo ao planalto da tua escrita Blue. devagar. para me saLVAR.


és muito mais que uma brisa!


um diário de ÁGUA.



BEIJO.

CNS disse...

Mas ainda bem que o (re)escreves com a tua força. Com esse teu poema de traço de luz. É um prazer ler-te, Blue.

As Sombras de Fim do Dia disse...

Afectos que nos dão abrigo...

CCF disse...

Quanto eu queria um abrigo assim! Mas fico feliz por o teres.
~CC~

Scarlata disse...

já tudo estará escrito, e eu digo sempre a mesma coisa: é lindo.
;D

António disse...

Magnífico texto. Nada falta. Como gostaria de saber agradecer assim!
"(...)o calor do ardor da tarde(...)", o excerto preferido.
Obrigado, muito obrigado.

Anónimo disse...

É belo o poema, é bela a paisagem que o inspira, são ainda mais belas a amizade e a gratidão.
Parabéns!

M.F.

hfm disse...

Outro cheio de poésis.

Maria disse...

"já tudo estará escrito sobre a luz no Rio de Ouro". Mas ainda bem que escreveu ! :)
Por merito próprio vai continuar nos meus favoritos.

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.