14.8.07



(tinta da china sobre papel, 1984)


hoje o dia ficou de novo azul

como a água parada na tina onde banharas a face cansada
como o declive cavado no corpo pelos teus dedos em busca das minhas mãos lisas
como quem afaga a secura, como quem assim se sacia

e é tarde meu amor para o habitual passeio na palma das sombras que nos abrigam
é demasiada a tarde em que me desenlaças a cintura
e ninguém me saberá dizer de novo o teu nome
levado por inclemente porvir
neste tempo de marés-vivas
deixando vazia a casa
o areal varrido pela ventania.


21 comentários:

Mar Arável disse...

SUGIRO MARÉS VIVAS E DESGRENHADAS

ADMITO QUE SÃO INTEMPORAIS

Carlos Ramos disse...

Subtil, dolente, perene, belissimo... digno e mais uns milhares de adjectivos.
Bj.

Letras de Babel disse...

o tempo mascara-se de doçuras. escorre mel enquanto passa. pinta telas azuis e brancas, de algodão.

o tempo só se esquece de voltar atrás...

Anónimo disse...

na cintura de um discurso criador.



_________________sempre a tempo e atenta. aqui estou.


(belíssimo Blue)



beijo.


/imf

Natália Nunes disse...

Cláudia, lindo!

Eu gostei dessa coisa das idéias quebradas, como se estivessem descontínuas, fragmentadas, mas, ao serem unidas, formam uma figura em mosaico. Linda figura, por sinal.

Parabéns!

saudosista do futuro disse...

azul
____do azul
___________do azul.



de ti. as cores toda numa.


(...)


e é azul o beijo.

Anónimo disse...

(o seu Pc está cada vez "melhor"...)

:))))))))))


e é mais que óbvio que "roubei".



sim e sim.


intensa esta partitura.


imf

hfm disse...

Belo este"areal varrido pela ventania" e as imagens, as imagens...

cm disse...

gosto das linhas paralelas da tua escrita ganhando luz na tinta escorrida do teu pulsar....

um abraço

Teresa Duraes disse...

estive a ver até 'lá a baixo' os desenhos a tinta da china ou a aguarela.

fiquei fascinada com o traço

boa tarde

MOLOI LORASAI disse...

usei a foto deste quadro mais outras de isabel mendes ferreira na minha estória visual. ver em
moloi mau da fita.

Natália Nunes disse...

Essas imagens não estavam aqui quando li esse texto.
Essa primeira, em especial, é tão expressiva...

Dias azuis são tão ambíguos...

Fábio Vanzo disse...

Sutil, mas, ainda assim imponente, perene.

Mateso disse...

O azul é intemporal, talvez um estado de alma algures na imensidão do mundo nos mares ou nos céus, o azul sempre...junto da alma.
As sombras diluem-se em tintas bordadas de azul na quimera vol
atil de um sonho colorido a...
Bj.

bettips disse...

Abro bem os olhos para
mais uma lágrima azul fugida. Como há tão belos das palavras os cruzamentos.
Por isso se vão seguindo traços. Abç

gustavosampaio disse...

como é bom, um dia azul...

isabel mendes ferreira disse...

....:))))

que bom...
tanta "gente conhecida".


_________________

beijo Blue.


até logo.

.

Eremita disse...

curiososo, de todas as vezes que aqui passei pousaram meus olhos nos desenhos (também nas palavras), MAS nos desenhos me quedo sempre fascinado.
Não tenho mais, porque mais não sei dizer. Obrigado por estes azúis.
Boa semana.
Fraterno abraço

Licínia Quitério disse...

Os meus cumprimentos. Muito bom descobrir um blog de raro(s) talento(s).

isabel disse...

e outra vez muito!

vou voltar.

Scarlata disse...

BLUE!

Ola' ;)

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.