17.6.07


(técnica mista sobre papel, 1985)

cobre-me uma ansiedade errónea
ignoro que laço me sustentará o corpo devoluto

tu vês-me como um estranho amplexo de palavras perdidas
caixilho de palavras amputadas e esgotadas
onde se reflectem inefáveis contratempos
vozes soltas, dispersas como a folhagem primaveril que nos ensombra
enredadas na ausência do vapor solar
do sopro ensandecido que varre o canal até ao cais de pedra
onde te amarraste, indolente.

eu sou, de facto, esse estranho nó que usaste para ficares
a manhã não é rósea, não respira
e ignoro que laço me sustentará o corpo devoluto.

8 comentários:

hfm disse...

e se calhar ainda bem que o ignoras...

Bandida disse...

as amarras soltam-se com os sopros do tempo.

escreves bem. desenhas bem.

quem és tu?!... existes?!...


beijo


B.
________________________

isabel mendes ferreira disse...

incrível nó.



_____________

boa noite Blue.


Obrigada.

ana disse...

estranhos laços nos sustentam

isabel victor disse...

"a manhã não é rósea, não respira"

belíssimo ...

um beijo anilado de madrugada

B*

i
s
a
b
e
l

o alquimista disse...

Os pasteis sempre meencantaram, é uma técnica que gosto particurarente de executar...sou professor de artes e o teu espaço é para mim um cantinho de inigualável frescura...


Doce beijo

blue disse...

hmf
bandida
isabel
ana
isabel victor
alquimista

obrigada.

amigo secreto disse...

laços
nós
laços

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.