24.1.09


© kiasma

todos os rapazes desejam a pele mórbida
que não cede sob a pressão das falanges
seixos lançados por fundas
rompem copas de árvores
abrem caixas de nuvens desfiguram o céu
firmam a cabeça na argila do pinhal
quando a brisa resfolegante dita códigos como segredos
e a caruma se agarra às camisolas.
na penha as raparigas adormecem são o relento a noite americana
seguram livros nas mãos
desarmam os antebraços
enxergas que cheiram a suor e linho pensam os rapazes
uma funda de pele
um cartel de desafio.

10 comentários:

hfm disse...

como gosto de te ler!

Bandida disse...

e um poema magnífico!

Mar Arável disse...

Excelente como sempre

isabel mendes ferreira disse...

da imensa beleza!




sempre!



mesmo dentro do silêncio.



aqui.



beijo.

José Manuel Vilhena disse...

Todos os rapazes somos nós todos/as.
É bom mergulhar nesta bruma.

henedina disse...

Geres?

Miguel Barroso disse...

Maravilha!



Abraços d´ASSIMETRIA

DO PERFEITO

Pedro S. Martins disse...

"uma funda de pele
um cartel de desafio"

e não era preciso mais nada.

isabel mendes ferreira disse...

e tomei a liberdade de a levar ao piano....


espero que não se zangue.



obrigada.

isabel victor disse...

belíssimo ...


um beijo

iv

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.