17.2.08

camélia
(flores no quintal quando está frio e húmido)

(ser)
livre
(o exercício diário)

som
(da voz, das palavras, dos afagos, dos beijos, da música, do vento, das vagas no mar, dos passos na calçada, da caruma a estalar)

solar
(o estado de espírito)

negro
(o outro estado)

filhos
(os meus, os meus)

pele
(onde reverbera o desejo)

lugar
(a cidade, a casa, o quintal, o penedo, a sombra da árvore, o areal, os braços dos meus amores)

livro
(o outro lugar. o sonho, o poema, a descoberta, o desejo, o reencontro, a biblioteca, a livraria, o cheiro da casa onde já não vivo)

canela
(o perfume, a comida, o oriente, as caravelas, um dia de festa)

tela
(a do cinema, a da pintura, a do tambor)

luz
(a que me permite olhar os teus olhos, a que traz a noite quando se vai)



para o jpt e o jpn.

6 comentários:

Mar Arável disse...

Belo

pelo sonho é que vamos

Scarlata disse...

Muito belo ;)

Anónimo disse...

b.e.i.jo.
por tudo.

o que acima se disse.


_____________.
imf.

CNS disse...

Sim, as camélias. Das brancas. Quebram o frio. A chuva. E cá dentro o cheiro a canela. Quente.

Gi disse...

belas estas palavras soltas e
belos os sentires .

um beijo

laura disse...

que bonito!...

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.