13.1.08


parto reservando um lugar no contra-sentido para melhor me poder afastar
enquanto a locomotiva curva no dorso das colinas preguiçosa
rindo-se dos campos de nabos e couves, dos salgueiros desfolhados
das azinheiras e dos loureiros, das aldeias desmembradas
e vão parece o meu corpo, vão parece o pensamento

enquanto me aguardam as ruas vazias da cidade
é sábado à tarde quando há bandos de pássaros no choupal
e o burgo regurgita de vida nos centros comerciais
a minha face irregular está cansada
tomba a cal das argamassas que alguém recobriu de cores plásticas e opacas
impermeáveis ficaram as casas arfantes os velhos
sentados nos umbrais de cimento
a fingir pedra cansada
cansada a cidade que se reconstrói fingindo ser o que já não é

e busca recobro nos planos envidraçados dos pontos de encontro de fast-food
onde a luz do sol é filtrada o ar que se respira condicionado a chuva não entra
e bandos de pardais desgarrados se empanturram de restos de pão e de gordura
onde já nem se fuma onde se fala e cala e de novo se fala
ao telemóvel ao ouvido das crianças mordiscando a orelha dos namorados
gritando aos mais surdos
enquanto uns se enlaçam outros se encontram e uns outros se afastam

eu assim me afasto em silêncio
subo a calçada de seixos rolados colhidos no rio
quando havia um areal, laranjais perfumados e um cais de madeira
regresso no contra-sentido
vão parece o meu olhar.

10 comentários:

margarete disse...

que solidão. que silencio.
(sinto a ausencia de um abraço)


bom-dia, boa semana :)

Scarlata disse...

Advirto um sentimento de perda muito triste, a mudança que desilude.

Boa Semana.

;)

isabel mendes ferreira disse...

...que "maravilhada me vou...daqui"



Blue...


oh Blue...

laura disse...

lindo... mas sente-se cansaço.

António disse...

É Janeiro. What else?

Carlos Ramos disse...

Vão não é o teu olhar...

Anónimo disse...

roubei.



beijo.



(lindíssimo.).



.piano.

Luis Eme disse...

Tantas viagens que fiz contigo...

tantas coisas que encontrei, nas cidades, nos campos...

agradeço-te com um abraço

Mar Arável disse...

Apenas parece

que vai

o olhar

Mateso disse...

Em contra-mão diliu-se o tempo das memórias.
Bj.

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.