11.7.07

(ensurdeço ao ouvir-te)

na cidade cáustica e indiferente volumes claros de cota alta
escondem o denso montado que reveste as encostas da serra
crescem impunes
braços informes do velho burgo
amputando o horizonte


(e com o meu olhar procuro)

as acácias, as figueiras
entrecortando as linhas de cumieira de telha argamassada
e assinalando os pátios onde vides ensobram poiais de ladrilho
as açoteias assentes sobre abóbadas de pedra caliça
as laranjeiras adossadas às paredes das cisternas
os muros de adobo onde se apoiam buganvílias floridas
as argamassas que se decompõem no sopro das ausências

(emudeço. o olhar cerceado pelas palavras que não proferes)

nesse reflexo inquieto, seco
corre célere o sangue, arfante a pele
a face caiada

e enrubesço.

11 comentários:

isabel mendes ferreira disse...

nesse reflexo inquieto, seco
corre célere o sangue, arfante a pele
a face caiada

e enrubesço.
_______________//_______________.

um dia. um dia tb quereria dizer assim.
:
bom dia in Blue.


beijo.

cm disse...

poderia ser uma tela..recortada de volumes e olhares..fitados pelo olhar do sentir...

hfm disse...

o prazer de te ler.

Célia disse...

Mais uma vez peço desculpa à Blue pela invasão.
Depois das pequenas incursões aqui a este canto já no ido Dezembro último, não deixei mais de o visitar. Volto de quando em quando para rever o que me trouxe e para de me deixar encantar pelas palavras. Volto também para matar saudades; para nunca me esquecer que conheci um Bruno. Que ele existiu e existe na minha vida.
Olho para ele com sincera amizade, respeito e admiração. Mas hoje, mais do que isso, como o vento que veio abanar a água do rio que sou. Obrigada mais uma vez por teres estado comigo nos últimos meses e por me deixares hoje ser profundamente egoísta amando-te. Acima de tudo, obrigada por me fazeres sentir viva novamente.

Mateso disse...

Não sei se sinto o casario branco , a luz quente do dia, se antes pressinto...outros sons ecores.
Lindo.
Bj.

Azul Neblina disse...

Gosto do teu registo... E, sobretudo, é a Azul.

Scarlata disse...

enrubesço. :')

CNS disse...

Semicerro os olhos pela luz. E ficam a ecoar as cores desta tela. Belo

Mar Arável disse...

ARFANTE NA PELE - BELO

blue disse...

isabel "como quem se despenha na clardade"

cm "nesta terra d'água"

hmf "tarde ausente e adormecida"

célia

mateso "palavras ditas, voadas"

azul neblina "triste num comboio"

scarlata enrubescida

cns "tous les rêves"

mar arável "em porcelana de bago de arroz"



obrigada

isabel mendes ferreira disse...

ok...eu sei...passo a vida a "roubar" daqui....mas como não?


_________________
desculpas....


beijo.

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.