24.7.07


(tinta-da-china sobre cartolina, sem data)

em decomposição, a tarde

palavra a palavra
em decomposição
o tempo, o corpo, a voz.


em volta, as paredes alvas de cal, o tecto elevado pintado de cores suaves

a cabeceira da cama em cerejeira, o brilho debotado do verniz de boneca

os travesseiros que amparam a linha de nuca

os dedos emaranhados nas borlas de lã

os planos de linho lavado onde esmorecem calafrios

uma face que se afunda no antebraço cavo de um beijo


a quietude perfuma o silêncio, os livros de bolso de papel escurecido.

7 comentários:

Natália Nunes disse...

como eu adoro sinestesia...

laura disse...

revejo-me aqui. em certas tardes.
lindo. um beijo

CNS disse...

Tanta calma...daquela que só as tardes lânguidas e belas possuem...

cm disse...

a linha que cinge o movimento, calada a noite mora no dia...e é tarde para madrugada....


um abraço

Gi disse...

Tranquila esta tua tarde, quase um regresso às minahs tardes de menina.

beijo

Mateso disse...

Serena em memória... recordando...
Quietude.
Bj.

Carlos Ramos disse...

Olá Blue

Anda por aqui o fantasma do Paul Bowles? e anda muito bem.
Belo.
Bj.

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.