15.2.07

é fácil imaginar-te
um anjo de asas erectas e olhar de pássaro entristecido,
olhar de ave tomado pela morte rapina,
aí, quedo na colina serena e crua do tempo
que já não existe.

é fácil saber que me observas,
qual fuste branco de cal viva,
preso pela minha memória,
à espera que esta se imobilize, envelhecida,
e te permita, enfim, repousar
sobre o esquecimento merecido.

não é fácil, porém, esquecer
(perdoar)
o movimento rasante dos teus olhos sobre os meus,
sobre o abismo em mim mais temido

e a sede do teu corpo apagando, linha a linha,
o contorno dos meus dias.

3 comentários:

Anónimo disse...

os olhos da pele
desfazem-se em água
infundem sonho
sem fundo
as cinzas perfurarão a terra
(e densificam searas)
tudo se transforma
excepto a racio do 'ser'
indelével

Mariana

marisa disse...

continuas a enriquecer a minha alma com as tuas palavras, desenhos, pinturas.
tudo o que é belo enriquece-nos por dentro e ajuda à nossa evolução interior. mais um obrigada.
vivam os blogs que permitem conhecer, conhecer melhor...

blue disse...

obrigada às duas.
os ecos têm sempre um reflexo.

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.