25.3.08


© zp


nem a sombra nem o vento me servem de anteparo

quando chego à paliçada que te encerra

e cais como quem apenas respira

sobre a nuca sobre a curva do ombro

sobre a areia branca que cega e enfarta

sem que saibas de maçaneta portada ou vidraça

sem que te reconheças na membrana fotográfica que o dia imprime

e és contraluz vagalume corpo nocturno.
..

9 comentários:

Night Shadow disse...

e encontras a palavra que faz o anoitecer chegar um pouco mais tarde.

Huckleberry Friend disse...

ao anoitecer, soube-me bem ler estas palavras...

ana disse...

belo, blue

Anónimo disse...

oitos linhas que encerram beleza. continuo a matar a sede por aqui.
beijo grande
marisa

hfm disse...

na sombra do vento.

CNS disse...

Luz impressa. Gravada.

isabel mendes ferreira disse...

a mim serve-me este re.chegar.


quente.


respiro-Te.


agora. serena.

e bela.

O Profeta disse...

Esta é a alma que voa de um Profeta
Ao encontro do teu sentimento
Este é o sal de alva espuma
Que te ofereço e diadema de espanto…

Olhos de alma, da tua alma
Quero-os no cais da minha chegada
Espero por ti em manto de ternura
No encontro da minha caminhada


Bom domingo

Mágico beijo

isabel mendes ferreira disse...

pergunta: recebeu mail?


pedido: desculpe-me.

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.