7.3.08


© maria paes



pareces mesmo tu, aí, como te imagino. quase tronco, galho, folhagem.
o corpo ancorado de manhã
no flanco de um fotograma inesperado

l’air d’une chanson perdue.

7 comentários:

DE-PROPOSITO disse...

pareces mesmo tu, aí
---------------
Pois é!... Só que nem tudo o que parece, é.
Fica bem.
Felicidades.
Manuel

alice disse...

Boa tarde. Desculpe o comentário. Venho informar que o link do post do Piano ("de acordes especiais") tem um poema de Isabel Mendes Ferreira. Agradeço a sua leitura.

Scarlata disse...

Ah paris... Il y a tout ce que vous voulez...

Natália Nunes disse...

fala tanto, ainda que breve.


beijos!

hfm disse...

Belo!

laura disse...

lindo...

isabel victor disse...

l’air d’une chanson perdue.

(...)

leveza.quase sopro


Tão bom ... blue


iv*

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.