18.12.07

interponho um ecrã entre o teu rosto e o meu
armo-me de pele pálida e olhar transparente
e através desse filtro desencontrado
tombo na opacidade das tuas palavras
o espaço que me reservas desse outro lado.

entre os duplos sentidos da tua pele sobre a minha
interpõem-se noites irrequietas, insónias
um desejo cabal de entrega que a pouco sabe
propagam-se vazios, contaminações.

lá fora sopra o vento, está frio
não sei de quem se entrega

de quem se perde como eu te perco
num dia assim.

8 comentários:

isabel mendes ferreira disse...

um frio.


a mem�ria.


um beijo. a desdobrar o continente da ternura.



(a hora est� s� adiada)



____________________at� logo.

Hugo Besteiro disse...

gosto muito

hfm disse...

os dias... um abraço e Bom Natal.

Mateso disse...

Lindo.
Votos de Boas Festas.

Luis Eme disse...

Este vento que falas, exterior, é no minimo amorável, cá dentro...

Gi disse...

as horas em que os vazios se enchem ... de tudo!

Um beijo Blue (um pouco como o poema, belo mas blue ...)

maria disse...

um feliz natal

JPN disse...

também gostei muito.

:)

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.