2.8.07


© zp

deitada na beira-rio
esqueci as sombras velozes que varreram
o esquálido corpo da cidade enquanto te ausentavas devagar
devagar. proliferam incêndios de verão


e o verão também ele por mim perdido.
arde o estio que pressentirás apenas na pele rouca

nos ventres curvos das raparigas
nos pés varridos pelas sombras cinzentas das nuvens
e expostos ao vento

à esparsa tonalidade do desejo
entorpecidos.

8 comentários:

Scarlata disse...

muito bonito blue, como sempre.

;)

Carlos Ramos disse...

Vero belo.
Quanto à Dalila muito haveria a dizer, mas julgo que não é o espaço certa para isso. Só queria deixar aqui toda a minha solidariedade e dizer que os mediocres nãovencerão.

Bjs.

Anónimo disse...

bom dia querida Blue....





sempre pele das palavras.


que ficam.



beijo.


/piano.

blue disse...

bom dia, piano!

Anónimo disse...

:)))))))))))))))))
_________________hum hum hum....grata.




/piano.

laura disse...

lindo. :-)
beijo

Mar Arável disse...

ARDE O MAR ONDE OS OLHOS SE PRENDEM - MESMO QUE SEJA VERÃO

Natália Nunes disse...

Eu havia lido esse texto e podia jurar já haver comentado.
Mas vi que não.

Qual será a tonalidade do desejo?
Gosto de pensar em cores quentes.

beijos!

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.