30.5.07



(caneta sobre papel, maio 2007)

e, de repente, o espaço exangue de um fim de tarde parco em alentos
revela a luz sobre os lameiros, uma luz solar amarela e quente
que o vidro sujo do comboio tranforma em fotogramas
anacrónicos, excertos que se movem no meu olhar desfocado
o ar abafando os corpos cansados das mulheres contra os bancos sujos
o aprumo do revisor diligente.

7 comentários:

blue disse...

(works in progress)

ana disse...

bom dia, blue. boa viagem.

Scarlata disse...

Gosto das sombras.

Bom dia :D

o alquimista disse...

Tem um particular encanto o teu espaço...

hfm disse...

Não, o teu olhar não está nada desfocado, poderá estar o mundo, os outros mas nas palavras ou no traço o teu olhar adentra.

Gostei particularmente muito do 1º.

sapo disse...

Estava a comer... a mão permanece a meio caminho entre o prato de amendoas e a boca... congelada, impávida.
A culpa é sua, deste seu blog, deste extraordinário paraíso aos sentidos.
Não a/o conheço. tenho pena.
Cheguei cá sem querer pela Natureza do mal, neste caso bem.

blue disse...

obrigada a todos.

(sapo: sou uma mulher:)

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.