5.2.07

singular engano,
perco todos os caminhos em que te posso encontrar.
e, como um contorcionista, embrenho a mente em pensamentos desfazados do próximo poente,
enquanto arqueio passos em jeitos de te conquistar.
brevemente descubro que te quero mas não amo
e, por entre desvarios, já só, duvido se te amo e não quero.

eis-me de novo na velha rota circular:
balbuciadas as inconsequências e os medos
abandonas-me sempre quando quase rompi os braços no rumo do teu olhar.
é sempre no prumo desse gesto que me desdenhas

e que me perco.

2 comentários:

marisa disse...

mais um obrigada! é lindo, é perfeito!
bjs

blue disse...

bjs, marisa. e obrigada!

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.