28.10.06

o quase silêncio, por fim.

transparente, a vidraça sobre a urbanidade
de espaços intermédios que não a atravessam
lugares como aquários
onde se dispersa a vida entrecortada
dos que, do lado de lá deste outro espaço a preto e branco,
se articulam nas passadas vorazes do dia-a-dia.

o quase silêncio, por fim.

transparente, a vidraça sobre o desalinho
das vozes intermédias
que não a atravessam
curvando o lugar e as tonalidades
ao claro-escuro branco e negro
cinematográfico suporte das mais abstractas ligações
boca-de-cena de tão grande inquietude
aberta sobre a cidade.

estão sentados e não se olham
a mesa é branca sobre o perímetro negro,
um caderno aberto, um copo de água.

uma mulher olha o lado de lá da
transparente vidraça

o quase silêncio, por fim.

3 comentários:

laura disse...

quase me sentia, eu própria, dentro destas imagens. belíssimas fotografias e palavras a dizer...

marisa disse...

concordo com a laura.
gosto muito de "o quase sil1êncio, por fim"

marisa disse...

slêncio, corrijo

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.