28.8.06


(praia da claridade, 2006)

um barco naufragou na praia da claridade,

junto ao molhe e ali ficou, enferrujado, enterrado,

o mistério preferido de todos os gaiatos desse tempo de longas férias,

alcançadas por carros carregados com lençóis, pratos e talheres e mudas de roupa,

empregadas a tempo inteiro de farda preta e cozinheira,

o casaco comprido branco da mãe mais bela

para os passeios na marginal em noite de nortada,

as sweatshirts de malha branca do pai,

as mãos nos bolsos das calças de linho e os óculos escuros,

o carrinho de bebé inglês onde dormia o rapaz chorão,

a casa havanesa a cheirar a livros, perfumada de letras e segredos,

outros mistérios,

os guarda-sóis e as cadeiras de lona às riscas azuis,

os dias intermináveis,

as risotas da avó e das suas vaidosas amigas,

as horas mais felizes com os primos distantes.

o barco foi finalmente removido

e esgotadas todas as férias na praia da claridade.

subimos para norte, depois de uma breve passagem pelo sul,

dos braços das searas alentejanas e do azul mediterrânico,

às enseadas graníticas perfumadas de algas.

da praia da claridade só resta essa hipótese

de investigar nas ruas de hoje

as pistas físicas desse outro tempo,

compondo novas referências nesse percurso,

a sopa de peixe preparada pelos amigos,

saboreada na companhia das gargalhadas dos filhos

com quem trocámos estórias, lugares

algumas memórias (in)comuns.

2 comentários:

António disse...

Sem palavras... Lindíssimo!

blue disse...

obrigada antónio. é bom saber.

Arquivo do blogue

 
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.